A Armadilha do Túnel de Luz

Texto de extrema importância

A ”realidade” atual, como já dissemos, não passa de um universo concebido por mentes criadoras, extremamente adiantadas tecnologicamente, onde nossos substratos espirituais se encontram aprisionados temporariamente.

Dizemos temporariamente uma vez que é possível se libertar dessa ilusão forjada, entregue a nós como concreto.

Nessa intrincada mescla de matrizes, algumas foram formadas para aprisionar essências espirituais, escravizando-nas e desconectando-nas, ao máximo, das suas ligações com a Fonte, deixando-nas expostas à vampirização, tanto de suas essências vitais, quanto de suas emanações negativas, impostas pelo sofrimento, gerado pelo desiquilíbrio social proposital.

Acima da matrix, à qual estamos agrilhoados, existem outras infinitas, e é nosso dever espiritual expandir nossa consciência, tornando-nos cientes e atuantes, progressivamente, em todas elas.

Para que essa mensagem, de suma importância, seja compreendida e digerida devemos, inicialmente, tecer alguns comentários sobre o universo presente.

A maioria das correntes espiritualistas nos revela que, quando vivos, no corpo material de carne, vivenciamos a terceira dimensão e que, por ocasião do desenlace, mudamos consciencialmente de foco para a quarta dimensão, ou astral. Depois, de acordo com a evolução pessoal de cada um, alcançaremos níveis existenciais ainda mais elevados, a quinta dimensão, também conhecida como mental, a sexta, também denominada búdica, a sétima, ou nirvânica e assim sucessivamente, ao infinito.

Cada elevação focal para um plano superior significa mais sabedoria e mais felicidade. Os mais adiantados entre nós conseguem mesmo alcançar o nirvana, na dimensão de mesmo nome, postando-se estáticos, num estado vibracional de extrema positividade e felicidade.

Essas assertivas não passam de um engodo, falsas promessas, um alimento para a força motriz da esperança, visto que raríssimos alcançam esses planos e os que ”lá chegam”, dizem os instrutores dessas correntes, se livram dos ciclos reencarnatórios de sofrimento, postando-se em eterna contemplação a zelar pela felicidade própria e da humanidade.

A maioria absoluta, se não todos, inclusive os mais impolutos, não conseguem passar da dimensão mental e, depois de um tempo, são forçados a baixar o nível vibracional, migrando inversamente para as toscas quarta e terceira dimensões, reencarnando-se.

O que queremos dizer com todas essas afirmações é que todos esses planos dimensionais não passam de criações de uma mesma realidade matricial, idealizados pelos mesmos seres que projetaram a terceira dimensão.

Quando falamos que nossas dimensões, as quais temos acesso, foram idealizadas e materializadas por esses seres, queremos nos referir à tudo, tanto o que percebemos em baixo, no nosso planeta, quanto o que percebemos em cima, no universo que nos cerca.

Os subtratos espirituais dos seres em estágio primevo de evolução, as plantas, os pequenos animais, etc, encontram-se aqui, desenvolvendo-se, em corpos também projetados pelos criadores, alheios aos detalhes do universo que os cerca.

Por outro lado, os mais desenvolvidos, onde incluímos nós mesmos e os habitantes de outros orbes e constelações, são divididos em grupos: a maioria dos extra-terrestres engloba os negativos que decidiram fazer parte desse palco, colaborando ativamente para que fiquemos na ignorância, a fim de concretizarem suas necessidades de emanações negativas, aqui abundantes; existem também os libertos que adentram nossa matrix, periodicamente, para observar apenas, sem intervir; faz parte também uma minoria positiva que, advinda da matrix superior, tenta interceder, nos alertando sobre a farsa do holograma ao qual estamos presos. Outros cativos sabem da farsa, mas estabaleceram moradas avançadas definitivas com suas civilizações intra e extra-terrenas e se postam como uma aristocracia que não tem interesse nem de ajudar as outras sociedades, nem de ascender à matrix superior. Mais grupos extra-dimensionais também se fazem presentes, esporadicamente, com interesses diversos e exóticos, o que demandaria tempo de descrição, desnecessário para a pretensão desse texto.

É vital frizar que nossas essências espirituais não se libertam por ocasião do desenlace físico, continuam aprisionadas na mesma realidade, tendo apenas um período de repouso, para a posterior reciclagem, com o fim de serem novamente trasladados para a terceira dimensão, onde serão novamente explorados pelos seus captores.

Sei que é muito difícil para a maioria compreender que estamos sim, aprisionados em uma realidade forjada por seres de índole negativa, num sonho tenebroso onde as promessas de progresso não passam de meios de nos manterem aferrolhados a uma eterna rotina de nascimento, ignorância, exploração e morte.

Para verdadeiramente libertarmos as nossas essências espirituais e, talvez pela primeira vez em dezenas de milhares de anos, nos vermos livres e quase totipotentes, num outro universo que é também uma matrix, mas criada por seres muitissimamente evoluídos, que não nos tolheram as divinas capacidades, onde querer é poder, onde pensar em um lugar é lá estar, mesmo que seja em outra constelação, onde todo o conhecimento está totalmente disponível, precisamos nos desvencilhar dessa falsa realidade imposta por seres negativos, os quais, mais tarde, nomearemos.

Somos espíritos imortais, livres em nossa essência, de idade imemorial, aprisionados temporariamente nesse ciclo de sofrimento. E é do sofrimento que esses seres criadores se alimentam.

Apenas uma coisa não nos pode ser tirada, mesmo por esses poderosos seres criadores negativos, o livre arbítrio; e essa é a chave para a liberdade.

Na terceira dimensão é impossível se desvencilhar dessa realidade e o melhor a fazer é desenvolver e utilizar, ao máximo, a intuição, que é um atributo do chacra coronariano, a ligação com a verdadeira Fonte.

Entretanto, existe uma falha nessa matrix, por onde podemos escapar, usando o livre arbítrio.

Por ocasião do desenlace físico natural, é sabido que surge, em frente ao indivíduo, um túnel de luz, extremamente atrativo, de onde se emana paz e alento indescritíveis. Essa é a armadilha da matrix imposta, porquanto esse túnel é somente a passagem de retorno para esse mesmo universo ilusório. Essa é a oportunidade única que teremos para usar nosso livre arbítrio e escapar do cárcere.

Como somos almas imortais, nada devemos temer, somos uma extensão da Fonte, indestrutíveis e, em essência, totipotentes como Si próprio. Ao escolhermos não adentrar o túnel de luz, algum receio pode surgir, da solidão, do isolamento da incerteza do que nos espera, mas aqui estamos para dirimir dúvidas a esse respeito.

A intuição, aliada à vontade e ao conhecimento são as armas que nos livrarão do claustro imemorial que nos impuseram.

O túnel de luz, que surge após o desenlace, tem uma qualidade hipnótica, que fascina aquele que o fixa e o atrai para si, como que a aspirar nosso ser. Na maioria das vezes, se fazem presentes entidades "de luz", representados por espíritos guias ou familiares que tentarão nos induzir a penetrar esse funil luminoso, advogando eles, as maravilhas que aguardam àqueles que o adentram. Nesse ponto, devemos, com vontade inamovível, nos negarmos a acompanhá-lo(s), seja(m) quem for(em), e virarmos para o lado oposto e nos imaginarmos, progressivamente, mais e mais distantes desse túnel. Não tente lutar fisicamente, resistindo à sua capacidade atrativa, pois aqui a mente tem mais força e é o pensamento firme que nos afastará dessa captura. O túnel se esmaecerá e desaparecerá.

Nesse ponto, o espírito se encontrará solitário em um limbo, ainda pertencente à matrix do engano, um grande espaço protegido por uma grade, erigida pelos idealizadores de nossa realidade terrena. Essa grade costumava ser íntegra, sem falhas, não permitindo, nem mesmo aos esclarecidos, a fuga para a liberdade, mas, nos últimos tempos, falhas ou brechas foram infringidas por amigos libertos, de fora da matrix, até o ponto de, atualmente, a sólida cerca de outrora, se parecer mais com um queijo suiço, repleto de fissuras e fendas. Procure uma dessas falhas e saia.

Pela primeira vez você se sentirá livre, um espírito liberto, numa realidade mais justa, onde a exploração do sofrimento e da miséria alheia não é a regra. Existem ainda os contrastes, pois toda a manifestação exige polarizações opostas, o positivo e o negativo, o bem e o mal, mas, ao menos aqui, como ser imortal, suas qualidades e capacidades não lhe serão tiradas, bem como a verdade sobre o meio que o cerca.

Pense numa estrela, numa das civilizações benevolentes que habitam essa estrela e lá estará instantaneamente. Procure uma instituição de ensino nessa estrela e se ofereça para cursá-lo; os irmãos de lá o avaliarão e lhe dirão se está capacitado para cursá-lo. Se o seu nível não for suficiente, eles lhe apontarão a indicada.

Outra possibilidade é se encontrar com os que se libertaram da matrix terrena, como você, para socialização e troca de conhecimento.

Se não quiser aprender nada, por enquanto, e preferir criar seu próprio universo de descanso, um mundo idílico completo todo seu, isso é possível apenas com a imposição da vontade. Se encontrar seres amigos, que se propuserem a lhe mostrar muito desse novo universo, as estrelas e as civilizações, fique à vontade. As possibilidades para o ser que cortou os laços com a realidade terrena restritiva são infinitas...

Essa nova existência é muito semelhante ao que os teosofistas denominam de quinta dimensão, ou dimensão mental mas, diferentemente da quinta dimensão da matrix de sofrimento, não é baseada em falsas realidades oníricas; aqui o ser sabe distinguir as realidades criadas por si das criadas por outrem e nunca é capturado e forçado a baixar o nível vibracional e se reencarnar na tosca terceira dimensão.

Mesmo que os frateres duvidem das afirmações aqui contidas, vale a pena avaliar as possibilidades, uma vez que já sabemos o que nos aguarda no fim do túnel. As opções são retornar para a rotina reencarnatória, onde todo o nosso potencial será reprimido, nossa memória ancestral apagada e onde a verdade sobre a existência nos será negada, ou explorar o ”desconhecido”, que certamente não será pior do que a realidade limitante terrena.

Vivemos em uma época ”sui generis”, onde o conhecimento está disponível à todos, por meio da rede global da internet, como nunca esteve em outras épocas. No passado, informações como essas ficavam acessáveis somente à secretíssimos, exíguos e egoístas grupos de iniciados; aproveitemos a oportunidade, pois um novo caos global se desenrolará em breve e, possivelmente, esse conhecimento se perderá.

Para aquele que conseguir se libertar, depois de algum tempo, saudades surgirão dos parentes e amigos que ainda ficaram presos à matrix de sofrimento terrena. Sim, a possibilidade de, novamente, adentrar a antiga matrix de sofrimento, no intuito de ajudar a libertar os seus queridos estará sempre aberta. Se assim o desejar, terá algumas vantagens no reencarne, com um corpo livre dos implantes bloqueadores annunakianos. Mesmo assim, a garantia de se manter livre e de não ser engalfinhado, mais uma vez, por essa matrix, não estará garantida.

Sinceros desejos de Ascensão

Conscendo Sodalitas



Gravida aliquam penatibus

Amet nullam fringilla nibh nulla convallis tique ante proin sociis accumsan lobortis. Auctor etiam porttitor phasellus tempus cubilia ultrices tempor sagittis. Nisl fermentum consequat integer interdum.

Sed quis rhoncus placerat

Amet nullam fringilla nibh nulla convallis tique ante proin sociis accumsan lobortis. Auctor etiam porttitor phasellus tempus cubilia ultrices tempor sagittis. Nisl fermentum consequat integer interdum.

Magna laoreet et aliquam

Amet nullam fringilla nibh nulla convallis tique ante proin sociis accumsan lobortis. Auctor etiam porttitor phasellus tempus cubilia ultrices tempor sagittis. Nisl fermentum consequat integer interdum.